Como Fazer uma Música

fazer música

Se você procura aprender como fazer uma música, vamos compreender como isso pode ser possível, mesmo que você sinta que não possui o talento necessário ou esteja apenas começando. Estaremos usando a matemática para criar nossas primeiras músicas e, quem sabe, fazer sucesso! Continue lendo…

Muitos consideram que é preciso ter talento para criar uma música partindo do “nada”, mas e para aqueles que não se consideram tão talentosos assim, como fica essa história? Posso garantir que é possível criar uma música, mesmo que você não se considere tão talentoso (a) assim. Porém, aquele que deseja fazer uma música, sem possuir qualquer conhecimento técnico ou qualquer talento, provavelmente, não terá bons resultados. Vamos compreender o que é preciso para isso funcionar!

Dicas para Fazer Músicas

mulher jovem compondo musica

Se você não se considera um compositor(a), vamos começar identificando o seu nível de conhecimento musical. Primeiro de tudo, e essencial, é conhecer a matemática musical, mais conhecida como “Teoria Musical”. Compreender a mecânica de uma música, através dos fundamentos da teoria musical, cria uma base para você tocar qualquer tipo de instrumento musical, mesmo os mais complexos.

Uma vez que você entende como uma música funciona, fica muito mais fácil colocar as coisas no lugar. O primeiro passo é buscar aprender essa teoria musical em uma escola de música perto de você. Outra opção é buscar por esse conhecimento através de livros, palestras, aulas online, etc. A teoria musical é tão fundamental para a música quanto a gramática é para a organização de uma língua.

Fazendo Música Orgânica

compondo musica violao small

Quando eu tinha 14 anos, ganhei meu primeiro violão acústico. Não sabia absolutamente nada sobre o instrumento, mas isso não me assustou, porque a vontade de aprender era muito forte. O meu conhecimento sobre música foi evoluindo como o tempo e a teoria musical me ajudou a criar músicas como “Aquela Lua” e muitas outras.

Sentia a música tocando na mente, então colocava a letra no papel, e a cifra me ajudava a guardar a melodia. Nesse método de composição, que eu chamo de “orgânico”, você usa a matemática da música apenas para transportar o que você pensa e cria para uma gravação, papel, etc. O conhecimento do campo harmônico, modos gregos e escalas vai ajudar você a se localizar em seu instrumento, enquanto permite que você organize todo o trabalho.

Esse método orgânico pode funcionar com você, bastando apenas que compreenda a teoria musical para que possa escrever, tocar e cantar a música que você acabou de criar. Claro, nem todo mundo compõe desse modo, nem sempre temos a música tocando na mente, então temos que forçar um pouco as coisas e partir para o próximo método.

Fazendo Música Matemática

estudante fazendo calculos matematicos

Uma quantidade crescente de neurocientistas vêm estudando como a mente humana funciona e eles até conseguiram encontrar alguns padrões de sons que levam ao prazer musical.

Esses padrões estão relacionados ao ritmo que você usa na música, as progressões de acordes e a uma série de outros fatores menores. No método de música matemática, você pode embutir esses padrões e conceitos para criar o que podemos chamar de “a música perfeita”.

Um bom exemplo de composição matemática pode ser conseguido ao imaginarmos a seguinte situação: se você inicia a sua música com uma nota fundamental, não há muito o que fazer quando quiser seguir para o próximo acorde. Você pode decidir se deseja criar um clima em um tom menor ou subir direto para a 4ª, 5ª e depois voltar para a fundamental.

Algumas músicas “sertanejas” são bastante simples, e não é muito difícil para o iniciante se aventurar e fazer uma música nesse estilo.

Se você quer um “sertanejo universitário”, copie o ritmo do “Gusttavo Lima” que é uma referência para esse tipo de estilo. Aliás, esse novo sertanejo que o Zezé disse ser “efêmero” ( passageiro ), parece ter um espaço muito grande entre os Brasileiros. Uma característica desse estilo é o seu ritmo sertanejo, porém mais rápido que o comum. Outra vez, os padrões rítmicos influenciando o “clima” da música.

Mesclando os Métodos para Fazer uma Música Perfeita

musico compondo partitura

Se você já tem talento e faz suas músicas, mesmo sem conhecer a teoria musical, então o melhor a fazer é estudar essas regras. Não acredite em mim, faça você mesmo o teste. Estude teoria musical por alguns meses, compare algumas músicas de sucesso e experimente recriar os elementos emocionais que essas peças causam na mente humana.

Certamente, você passará a ouvir músicas na mente com muito mais qualidade do que antes. Isso faz muita diferença, pois são poucas as sensações que se igualam a que você tem quando um fã elogia a sua música.

Faça Suas Músicas e Quebre Algumas Regras

mulher tocando campo

Claro, existem várias regras gramaticais que são quebradas quando se faz a letra de uma música. Isso pode parecer muito ruim para você, mas é bom saber que algumas músicas de sucesso não tem a letra tão certinha assim.

Se o estilo permitir, abuse dessa flexibilidade, vai lhe fazer bem. Muitos ouvem a Lady Gaga cantando em Inglês, sem ao menos entender o que diz a letra. Isso por que o mistério vai muito além do significado da letra. Os sons das palavras segue padrões matemáticos que interessam ao cérebro de uma forma ou de outra. Muitas vezes, uma palavra específica entra na letra por causa do seu som, de como o som dessa palavra se encaixa no arranjo musical. Portanto, para ouvir a música das palavras cantadas, não é necessário conhecer o significado dessas palavras.

Por exemplo: na música Believe – Cher, no refrão, temos a frase cantada: “Do you believe in life after love” que produz uma sinergia perfeita com o arranjo. Por outro lado, se você colocar isso em português, essa magia é quebrada. Ex.: “Você acredita em vida após o amor?”. Quando você tenta cantar essa última frase no arranjo, sente que está sobrando palavras, ou que o tempo não é suficiente. Por esse motivo, as versões em português de músicas internacionais são meras adaptações da letra original, salvo raras exceções. Algumas músicas nem valem a pena serem adaptadas, porque perdem completamente a magia da melodia de seus vocais.

Desenvolva o Seu Ritmo

Existem dois tipos de pessoa: as que tem ritmo e as que não tem. Se você se vê batucando em uma caixinha de fósforos, acompanhando um ritmo qualquer, com muita facilidade, então você faz parte do primeiro grupo, dos que tem ritmo.

guitarra ritmo coloridoRitmo é algo que nasce com você, se não, pode ser desenvolvido, como qualquer outro tipo de habilidade.

Por outro lado, vejo uma enorme quantidade de pessoas que têm dificuldades em marcar ou acompanha um ritmo, mesmo ao tentar cantar uma música qualquer. Isso pode ser corrigido com exercícios rítmicos, como: contar 1… 2… 3… 4… repetir x vezes, tentar acompanhar, batucar, o bumbo e a caixa do arranjo de uma balada pop, etc. Não se preocupe se, no início, você não conseguir o sincronismo correto, porque a mente vai se adaptando com o tempo. Por isso, nada impede que no futuro você estude DJ e comece a fazer suas próprias remixes, cada uma com um ritmo diferente.

Não importa em qual nível você se encontra, você não precisa de talento para se tornar um compositor; basta trabalhar e dominar cada uma dessas habilidades musicais. No final, ganha quem possui mais conhecimento e experiência.

Resumindo: para fazer uma música, o caminho é estudar teoria musical; principalmente o campo harmônico e o ritmo.

Desejo a você, boas composições!

Uma dica extra do Rodrigo: Saiba como eu montei o meu estúdio de gravação musical e consegui gravar as minhas mais de 40 músicas sem gastar fortunas com equipamentos e softwares caros.

Confira o vídeo exclusivo que eu preparei pra você!

QUERO VER O VÍDEO!

Tags: ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.