vinil-para-cd

 

O papel do vinil mudou drasticamente, sendo hoje uma peça de coleção para os fãs mais aficionados. Se você pretende gravar músicas do vinil para CD, então vamos conferir algumas ferramentas e dicas para que você consiga cumprir essa tarefa com êxito. Continue lendo...

No passado o vinil era, junto com o K7, o principal veículo para a distribuição de gravações em massa. O “reinado” do vinil durou longos anos, mas acabou sendo destronado por um inimigo futurista chamado CD. O vinil caiu por ser apenas um “degrau” da evolução desse tipo de transporte musical.

O Vinil era Perfeito?

Não, ele não era perfeito. Todos sabem que uma máquina de vinil tinha suas despesas programadas; você devia sempre trocar a agulha e substituir aquele motorzinho que girava o prato do toca discos. Além dos custos, o vinil produzia muitos ruídos, esse tipo de problema podia até ser resolvido através de uma “evolução” para um toca discos de vinil digital. Claro, esse tipo de equipamento resolveria o problema dos ruídos, mas a banda dinâmica ainda seria restrita pela pouca quantidade de informação gravada nos sulcos.

O CD é Perfeito?

Não, o CD não é perfeito. Ué... Porque não? Parece estranho, com tanta propaganda falando bem do CD, com tudo que se fala dos equipamentos Hi-Fi, é mesmo muito estranho dizer que o CD não é perfeito. Qual o motivo? O CD é infinitamente melhor que o vinil, mas não é uma solução absoluta como base para armazenamento de dados, principalmente em seu formato nativo, sem compactação. O CD é quase um disco de vinil, mas com muito mais informações embutidas, pois seus sulcos são muito mais estreitos. Na verdade, você não precisa de uma agulha para ler o CD, mas de um fino feixe de luz laser. Enquanto que o vinil funciona através do atrito da agulha em contato com o disco, no CD o feixe de laser é refletido de volta para um leitor óptico; então não existe contato físico entre o CD e o laser, isso ajuda a manter as coisas funcionando por muito mais tempo, se compararmos com o desgaste, do vinil e da agulha, causados pelo contato físico.

É Possível Restaurar o Vinil para CD?

Sim, é possível sim. O que muita gente pensa ser verdade, não é; gravar música em CD não garante qualidade alguma. O CD é como o papel: aceita tudo. Se você gravar em CD um áudio “masterizado” nos parâmetros comerciais, provavelmente a qualidade será ótima, muito acima do que o seu equipamento doméstico é capaz de reproduzir. Por outro lado, se você pegar uma gravação cheia de ruídos, problemas elétricos e coisas do tipo, o CD também vai aceitar essa gravação e vai reproduzir os ruídos com muita precisão. Isso nos leva a um conceito interessante: Existe sim o ruído Hi-Fi.

Como Restaurar o Áudio do Vinil para o CD

Esse é um processo simples, mas que exige alguns recursos de software e algum conhecimento sobre masterização de áudio. O conceito de restauração do áudio é baseado em remoção dos principais problemas técnicos que o vinil apresenta: cliques e ruídos causados pelo atrito. Os cliques são esporádicos e aparecerem muito fortes onde o disco apresenta alguma sujeira ou arranhão. Já os ruídos de atrito são consequência do contato físico entre o disco e a agulha, contato esse que proporciona o som, que também é ruído, mas um ruído controlado. Essa parte do ruído que não controlamos, é considerado lixo e, não corrobora na reprodução do áudio.

Para remover esses dois tipos de problemas, devemos conectar o “toca discos de vinil” ao computador do Home Studio. O primeiro passo é gravar todo o áudio utilizando o Sound Forge ( um ótimo software para remasterização ), então utilizar as técnicas referidas durante a aula sobre Masterização do Áudio contida no Curso de Home Studio Online. Existe um plugin específico para isso chamado Vinil Restoration, este conta com duas ferramentas: uma para remoção de cliques e outra de ruídos contínuos.

O Áudio Gravado do Vinil para o CD Fica Bom?

O resultado dessa técnica de restauração é ótimo e consegue mesmo remover todos os ruídos característicos do vinil. Você não deve esperar qualquer melhora na “qualidade” do áudio, visto que apenas “limpamos” o áudio, removendo todo o lixo. O vinil não consegue armazenar toda a informação do áudio, assim você vai perder nas frequências altas e baixas.

Em resumo, você pode cobrar por esse serviço em seu Home Studio. Muitos entusiastas dos LPs vão procurar seu estúdio de gravação para restaurar esses vinis e remasterizá-los para o formato CD. O preço cobrado pelos estúdios, para restaurar um disco com 12 faixas, gira entorno de R$ 200. Esse preço pode variar muito. Se você é um restaurador famoso, o preço pode ser até 1000 vezes maior.

Logo estaremos falando mais sobre transportar gravações do vinil para cd.

 

Abraço!

 


Gostou dessas dicas? Receba via e-mail as atualizações do nosso Blog!

Informe seu melhor e-mail abaixo:

Curso de Home Studio Online

Montar Home Studio